segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

ROBERTO E ERASMO CARLOS // O HOMEM



Roberto e Erasmo Carlos, compuseram a música de uma letra psicografada por Chico Xavier, que fala na volta de Jesus Cristo à Terra. Muitos avisos temos visto sobre essse acontecimento, como o aquecimento global, a corrupção, e tc. O último que tem sido mais frequente é a aparição visível da Estrela de David, que apareceu na India, ;japão em 05 de outrubro deste ano.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

EL ADIOS A MERCEDES SOSA




POLITICOS, FAMOSOS, PERSONAJES DE LA CULTURA Y GENTE COMUN SE ACERCO AL CONGRESO PARA DESPEDIR LOS RESTOS DE MERCEDES SOSA APLAUSOS, MUSICA Y HASTA CANCIONES EN EL DIGNO ADIOS A LA VOZ DEL FOLKLORE...

MERCEDES SOSA - Canción de las simples cosas y Gracias a la vida. Homenaje de Los Cumpas




GRACIAS MERCEDES POR TODO LO QUE NOS DISTE, SEGURAMENTE YA ESTAS CANTANDO CON DON ATAHUALPA Y OTROS MAESTROS QUE NOS MARCARON EL RUMBO EN ESTA VIDA... HASTA SIEMPRE NEGRITA!!! PEÑA LOS CUMPAS.
http://www.loscumpas.com.ar/



MERCEDES SOSA Canción de las simples cosas Gracias la vida. Homenaje Los Cumpas

MERCEDES SOSA // DUERME NEGRITO



Uma homenagem a grande cantora e intérprete, Mercedes Sosa que será mais uma estrela a nos deixar aqui na Terra.
Obrigada Mercedes por tudo que você fez. Você está no meu coração eternamente .........
Noemia Hime

sexta-feira, 3 de julho de 2009

terça-feira, 30 de junho de 2009

Michael Jackson "We Are The World"


ATÉ UM DIA MICHAEL !

MICHAEL JACKSON UMA PEQUENA MAS SINCERA HOMENAGEM

segunda-feira, 22 de junho de 2009





Vanessa da Mata com uma voz suave e linda, canta música de sua autoria com o famoso Chico Cesar. Uma música linda, que fala da dificuldade dos mais pobres sobreviverem sem água potável. Uma maravilha de música. Obrigada pelo presente Vanessa e Chico !
Noemia Hime

Vanessa da Mata nasceu em 1976, em Alto Garças, no Mato Grosso – uma pequena cidade 400 quilômetros de Cuiabá, cercada de rios e cachoeiras. De formação autodidata, ouviu de tudo na infância. De Luiz Gonzaga a Tom Jobim, de Milton Nascimento a Orlando Silva. Ouviu também de ritmos regionais como o carimbó, dos discos trazidos das viagens de um tio à Amazônia. Ouviu samba, música caipira e até música brega italiana, sons que chegavam pelas ondas da rádio AM.
Aos 14 anos, Vanessa se mudou para Uberlândia, em Minas Gerais, cidade a mil e duzentos quilômetros de distância de Alto da Graça. Foi para lá sozinha, morar em um pensionato: se preparava, então, para prestar vestibular de medicina. Mas já sabia o queria: cantar. Aos 15, começou a se apresentar em bares locais.
Em 1992, foi para São Paulo, onde começou a cantar na Shalla-Ball, uma banda de reggae de mulheres. Três anos depois, excursionou com a banda jamaicana Black Uhuru. Em seguida, fez parte do grupo de ritmos regionais Mafuá. Neste período, ainda dividia seu tempo entre as carreiras de jogadora de basquete e de modelo.

Em 1997, conheceu Chico César: com ele, compôs "A força que nunca seca". A música foi gravada por Maria Bethânia, que a colocou como título de seu disco, em 1999. A gravação concorreu ao Grammy Latino e também foi gravada no CD de Chico, “Mama Mundi”. O Brasil descobria uma grande compositora. Bethânia voltou a gravar Vanessa: “O Canto de Dona Sinhá” esteve no CD “Maricotinha” – com participação de Caetano Veloso - e em sua versão ao vivo. Já “Viagem” foi gravada por Daniela Mercury em “Sol da Liberdade”. Com Ana Carolina compôs “Me Sento na Rua”, do CD “Ana Rita Joana Iracema e Carolina (2001).
A voz e a presença de Vanessa começavam também a chamar atenção. Fez participações em shows de Milton Nascimento, Bethânia e nas últimas apresentações de Baden Pawell: estava pronta para estrear em carreira solo.
Em 2002, lançou seu primeiro CD, “Vanessa da Mata” (Sony) – que teve produção conjunta de Liminha, Jaques Morelenbaum, Luiz Brasil, Dadi e Kassin. Entre os sucessos deste disco estão “Nossa Canção” (trilha sonora da novela “Celebridade”), “Não me Deixe só” - que estourou nas pistas com remix de Ramilson Maia - e “Onde Ir” (que esteve na trilha da novela “Esperança”)

O segundo disco, “Essa boneca tem manual” (Sony), foi lançado em 2004 e teve produção de Liminha, como quem também dividiu as composições. Além de suas próprias canções – como "Ai ai ai...", ''Ainda bem'' e "Não chore homem", regravou “Eu sou Neguinha” (Caetano Veloso, versão que integrou a trilha da novela “A Lua me disse”) e "História de uma gata" (Chico Buarque, de "Saltimbancos"). Como “Ai ai ai..”, música nacional mais executada nas rádios em 2006, o álbum chegou a Disco de Platina.


“Sim”, o terceiro disco, lançado em 2007, foi produzido por Mario Caldato e Kassin. O álbum foi gravado entre a Jamaica e o Brasil. Das 13 faixas, cinco tem a participação de Sly & Robbie, dois ícones da música jamaicana. “Sim” é definido, pelo seu título, como “uma resposta positiva à vida, uma resposta de luta”. E conta com participações de Bem Harper, João Donato, Wilson das Neves, Don Chacal e um time da nova geração da música brasileira,como o baterista Pupillo (Nação Zumbi) e os guitarristas Fernando Catatau (Cidadão Instigado), Pedro Sá e Davi Moraes, entre outros.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

sexta-feira, 20 de março de 2009

*'Você tem experiência?'*

Num processo de seleção da Volkswagen do Brasil, os candidatos deveriam
Desenvolver uma redação com o seguinte tema:*



*'Você tem experiência?'*



A redação abaixo foi desenvolvida por um dos candidatos.

Ele foi aprovado e seu texto está fazendo sucesso!



Já fiz cosquinha na minha irmã só pra ela parar de chorar, já me queimei
brincando com vela. Eu já fiz bola de chiclete e melequei todo o rosto, já
conversei com o espelho, e até já brinquei de ser bruxo. Já quis ser
astronauta, violonista, mágico, caçador e trapezista. Já me escondi atrás da
cortina e esqueci os pés pra fora. Já passei trote por telefone. Já tomei
banho de chuva e acabei me viciando. Já roubei beijo. Já confundi
sentimentos. Peguei atalho errado e continuo andando pelo desconhecido.
Já raspei o fundo da panela de arroz carreteiro, já me cortei fazendo a barba
apressado, já chorei ouvindo música no ônibus. Já tentei esquecer algumas
pessoas, mas descobri que essas são as mais difíceis de se esquecer. Já subi
escondido no telhado pra tentar pegar estrelas, já subiem árvore pra roubar
fruta, já caí da escada de bunda. Já fiz juras eternas, já escrevi no muro
da escola, já chorei sentado no chão do banheiro, já fugi de casa pra
sempre, e voltei no outro instante. Já corri pra não deixar alguém chorando,
já fiquei sozinho no meio de mil pessoas sentindo falta de uma só. Já vi
pôr-do-sol cor-de-rosa e alaranjado, já me joguei na piscina sem vontade de
voltar, já bebi uísque até sentir dormentes os meus lábios, já olhei a
cidade de cima e mesmo assim não encontrei meu lugar. Já senti medo do
escuro, já tremi de nervoso, já quase morri de amor, mas renasci
novamente
pra ver o sorriso de alguém especial. Já acordei no meio da noite e fiquei
com medo de levantar. Já apostei em correr descalço na rua, já gritei de
felicidade, já roubei rosas num enorme jardim.Já me apaixonei e achei que
era para sempre, mas sempre era um 'para sempre' pela metade. Já deitei na
grama de madrugada e vi a Lua virar Sol, Já chorei por ver amigos partindo,
mas descobri que logo chegam novos, e a vida é mesmo um ir e vir sem razão.
Foram tantas coisas feitas, momentos fotografados pelas lentes da emoção,
guardados num baú, chamado coração. E agora um formulário me interroga, me
encosta na parede e grita: 'Qual sua experiência?'. Essa pergunta ecoa no
meu cérebro: experiência...experiência...Será que ser 'plantador de
sorrisos' é uma boa experiência? Não!!!



Talvez eles não saibam ainda colher sonhos! Agora gostaria de indagar uma
pequena coisa para quem formulou esta pergunta:

*'Experiência? Quem a tem, se a todo o momento tudo se renova?'*

domingo, 8 de fevereiro de 2009

DORIVAL CAYMMI // É DOCE MORRER NO MAR



É DOCE MORRER NO MAR (Dorival Caymmi)

É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar

Saveiro partiu de noite foi
Madrugada nao voltou
O marinheiro bonito sereia do mar levou

É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar

Nas ondas verdes do mar meu bem
Ele se foi afogar
Fez sua cama de novo no colo de Iemanja

É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar

DORIVAL CAYMMI // SAUDADE DA BAHIA

sábado, 17 de janeiro de 2009

Roberto Carlos - Aquela casa simples

Jesus Salvador - Roberto Carlos



Composição: Roberto Carlos / Erasmo Carlos

Hoje eu estou tão em paz comigo
Parece até que não faz sentido
O que eu tenho chorado
O que eu tenho sofrido.

Hoje eu olhei o céu da minha janela
Vi no meu coração a presença tão bela
De Jesus sorrindo e dizendo pra mim.
Vem, deposita em minhas mãos
Todos os seus problemas
Levante esse olhar, não chore, não tema
Não perca essa fé que você tem em mim

Quem vem a mim
Se alimenta do pão da vida
Quem segue os meus passos
Não sente as feridas
Tem a paz que eu dou
É feliz enfim.

Senhor perdoai meus pecados
Me aceita a seu lado
Me deixa tocar esse manto sagrado
E a graça que eu peço
Terei na sua luz.

Senhor, quem sou eu pra que entreis
Em minha morada?
Mas um fio de sua luz
Numa telha quebrada
Ilumina uma vida pra sempre, Jesus

Refrão:
Jesus Salvador, Jesus Salvador
Jesus Salvador, Jesus Salvador

Senhor, consolai os que choram
Curai os que sofrem
Nas ruas, nos guetos
Nos becos escuros
Na chuva, no frio, sem teto e sem pão.

Piedade daqueles que pensam
Que a felicidade é a riqueza, o poder
Ser feliz na verdade
É quem tem Jesus dentro do coração.

Jesus Salvador, Jesus Salvador